Great African Music

Great songs from Africa, covering several countries from the 70s to the 00s:

Awesome Tapes from Africa

The creator of this website is Brian Shimkovitz, an American DJ based in Los Angeles. He devleoped the blog in 2006, with the goal of sharing music he had come across on a Fulbright scholarship in Ghana.

*

Faltou a presença da Guiné-Bissau na coleção. Há apenas uma referência à cidade de Bissau numa das canções de uma das fitas, e uma canção do Djorçon num compilado com várias outras canções de outros países.

A referência à capital guineense se dá na faixa intitulada Bissau, da fita Akwaaba, de Francis Bebey, músico e jornalista camaronês (descrição da fita, fita completa e Bissau).¹ Bebey era um mestre do sanza ou kalimba, um idiofone dedilhado originário da África. O álbum Psychedelic Sanza 1982-1984 reúne algumas das melhores músicas do camaronês (aqui e aqui).

O conjunto Djorçon foi o primeiro grupo guineense a gravar um disco, que foi produzido por José Carlos Schwarz, em 1973 (Couto, 2011). A faixa presente no compilado do Awesome Tapes from Africa se chama Nna, que, em crioulo, significa ‘mamãe’. Escrita por Armando Salvaterra, a canção foi originalmente interpretada por Ernesto Dabó. Para mais informações sobre a música da Guiné, há um interessante apanhado dos principais grupos guineenses ao longo da história recente no site Voz da Guiné (http://vozdaguine.com/os-grandes-conjuntos/ ).

__________________________________________________________

1. Apparently, the lyrics of Bissau are more or less these: “They told me you were a forest. They told me you were sick. They told me you lacked water. They told me you were worthless. Bissau, that’s not so. Bissau, may luck be with you! … They told me you were plunged in darkness, they told me you were in tears, that you never ceased to fear. I’ve even heard you were near to burial. Bissau, that’s not so … ” Bebey is singing in Douala.

References:

Couto, Hildo Honório do, and Filomena Embaló. “Literatura, língua e cultura na Guiné-Bissau.” PAPIA: Revista Brasileira de Estudos Crioulos e Similares 20 (2011): 11-253.

%d bloggers like this: